Prefeitura certifica quase 90 alunos em curso gratuito de Libras

Após três meses de aulas de Língua Brasileira de Sinais (Libras), ofertadas gratuitamente pela Prefeitura de Petrolina no Centro Auditivo Ari Brasil, cerca de 90 alunos receberam seus certificados do curso básico da linguagem que permite a comunicação entre surdos na sociedade. O último encontro foi marcado por emoção, depoimentos entusiasmados e fortalecimento de vínculos entre familiares surdos e ouvintes, que antes esbarravam na dificuldade de comunicação.

Comunicação como a de João Carlos Teles, 15 anos. O jovem rapaz perdeu a audição aos 3 anos, e, desde então, tem, na família um ponto de apoio e auxílio nas dificuldades enfrentadas pela limitação auditiva. Nos dias de aula, ele, o pai, Josivaldo Teles, e o pequeno irmão caçula, Joanderson Teles de 10 anos, saíam de Dormentes com o intuito de aprender Libras e tornar a vida de João Carlos mais fácil.

Com os olhos cheios de lágrimas, o pai do menino conta como luta diariamente para que o filho e outros surdos possam levar uma vida “normal”. “Em nosso município eu procuro sempre solicitar à escola que ele estuda um intérprete, assim como para os outros surdos. Quando eu soube que tinha esse curso aqui em Petrolina não pensei duas vezes, vim com ele e ainda trouxe o irmão. Infelizmente minha esposa está cuidando do nosso bebê, mas a gente repassa pra ela o que aprende, além de ter aplicativo no celular que ensina algumas coisas. Este curso é muito importante pra gente poder inserir o João Carlos em tudo o que acontece com a nossa família”, diz.

O curso teve duração de 40 horas e foi ministrado pela professora Carmela Brito, que é surda, e pela intérprete Micheline Martins. Segundo a professora Carmela Brito, o curso é voltado para a população em geral que tenha interesse em aprender Libras, seja para se comunicar com um familiar ou amigo.  “A partir de agora, os alunos conseguem se comunicar com algum familiar, amigo, conhecido que seja surdo. O intuito é romper a barreira de comunicação entre surdos e ouvintes, por isso chamamos de básico, pois não tem o objetivo de formar profissionais, por exemplo”, explica.

A secretária de Saúde, Magnilde Albuquerque, destacou a satisfação em formar mais três turmas do curso de Libras. “Com essa iniciativa demonstramos que a surdez não impossibilita o convívio social, nem a comunicação diária e estamos possibilitando o fortalecimento  de vínculos familiares e sociais. Estamos felizes porque vamos iniciar novas turmas dia 15 de junho, e, com isso, vamos buscando uma sociedade mais igualitária”, finaliza.

Fotos: Karem Moraes

COMPARTILHAR