Políticas públicas voltadas à educação no semiárido são discutidas

A Prefeitura de Petrolina em parceria com a Fundação Joaquim Nabuco e a Rede de Educação do Semiárido Brasileiro (RESAB) deram início, nesta quinta-feira (24), ao II Encontro Semiárido e Educação: convergências, impasses e possibilidade. O evento, realizado no Hotel Nobile Suítes, em Petrolina, tem o objetivo de contribuir para a formação de políticas públicas e direcionamentos para o desenvolvimento de uma educação voltada para o semiárido. Até esta sexta-feira (25), mais de 300 representantes de cinco estados do país estarão deixando suas contribuições para o encontro.

Participaram da mesa de abertura o presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos; a vice-prefeita de Petrolina, Luska Portela; a representante do Ministério da Educação (MEC), Vanessa Matos; o diretor de Pesquisas Sociais, Carlos Osório; a Coordenadora do Centro de Estudos em Dinâmicas Sociais, Edilene Pinto e o Secretário Executivo da Rede de Educação do Semiárido (Resab), Edmerson Reis.

A vice-prefeita de Petrolina, Luska Portela, não escondeu a satisfação do município sertanejo sediar um evento dessa proporção. “É com imenso prazer que abrimos as portas de Petrolina para ser palco de debates propositivos, que sem dúvidas, alicerçarão o desenvolvimento de políticas públicas em todo o território do Semiárido Brasileiro. Tenho absoluta certeza que compartilhamos os mesmos desejos com os demais municípios que estão participando do evento. Se não mudarmos a educação, não seguiremos por outro caminho”, afirmou.

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, ressaltou em suas palavras o papel transformador da educação no enfrentamento das desigualdades. “Faz toda uma diferença para o aluno do ensino fundamental, da educação básica ter um material didático em que ele vai aprender dentro de um contexto em que ele se vê ao estudar. Essa é uma forma de facilitar o conhecimento e chegar mais perto do aluno e da forma de aprender”, pontua.

O primeiro dia do evento contou também com as presenças da Philarmônica 21 de Setembro e do cantor Edenio Lima, que levaram ao público um repertório de afirmação da força do povo do semiárido nordestino. Entre as canções, “Gostoso Demais” e “Eu Só Quero um Xodó” do cantor e compositor Dominguinhos, além do Hino Nacional ao som dos instrumentos da orquestra centenária.

A programação contou ainda com um workshop para secretários de educação, uma conferência e grupos de trabalho. Os participantes ainda puderam adquirir produções literárias ligadas ao tema por preços populares.

Fotos: Alexandre Justino

COMPARTILHAR