Dispositivos de liberação dos ovos do Método Wolbachia são instalados em Petrolina

A biofábrica do Método Wolbachia, inaugurada na última segunda-feira (19), em Petrolina, tem como objetivo a liberação de mosquitos com Wolbachia para evitar assim a proliferação de doenças como dengue, Zika e chikungunya. No município, o método utilizado é o do Dispositivo de Liberação de Ovos (DLO). Em recipientes com água são colocadas duas cápsulas com ovos, esses recipientes são instalados em árvores, todo o procedimento é realizado pelos Agentes de Endemias.

Para o processo de implantação e monitoramento, 12 Agentes de Combate às Endemias estão atuando desde segunda-feira. Para esta primeira semana, a meta é instalar 1.900 DLO’s nos bairros programados para execução. Nesta primeira etapa estão contemplados: São Gonçalo, Dom Avelar, Cosme e Damião, Antônio Cassimiro, João de Deus, Jardim São Paulo e parte do Topázio (Conjuntos Novo Tempo e Pedra Linda).

O Método Wolbachia consiste na liberação de Aedes aegypti com Wolbachia para que se reproduzam com os Aedes aegypti locais e seja estabelecida uma população destes mosquitos, todos com Wolbachia. Quando presente no Aedes aegypti, a Wolbachia impede que os vírus da dengue, Zika, chikungunya e febre amarela se desenvolvam no inseto, contribuindo para a redução destas doenças. O mosquito com Wolbachia não é transgênico.

Os Agentes de Combate às Endemias são parte executante do processo e para o diretor de Vigilância Epidemiológica, Acácio Andrade, eles são fundamentais na execução e sucesso do projeto.

COMPARTILHAR