História

História

Início >

História

São muitas as versões sobre a origem do nome da cidade. Há versões em que o nome da cidade foi em homenagem ao então Imperador Dom Pedro II e sua esposa Dona Leopoldina. Em outra, menciona-se a existência de uma pedra linda que havia na margem do rio, pedreira da qual foi retirada matéria-prima para a construção de um dos maiores monumentos históricos da cidade, a Igreja Catedral. E, também falam-se do escritor Santana Padilha que deixou escrito em seu livro Pedro e Lina que o nome da cidade se daria pelo fato de os dois primeiros moradores se chamarem Pedro e Lina e na ocasião do seu casamento o Frei Henrique, de sotaque italiano, ao pronunciar seus nomes fez-se ouvir Petrolina (PETROLINA, 2014).

Chamada de "Passagem de Juazeiro", Petrolina era caminho para a vizinha cidade de Juazeiro, na margem oposta do Rio São Francisco no Estado da Bahia. A passagem servia como ponto de apoio do desenvolvimento da zona sertaneja do Estado, com vias de acesso para os Estados do Piauí, Ceará, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo (PETROLINA, 2014).

LOCALIZAÇÃO, CLIMA E HIDROGRAFIA DE PETROLINA

O Município de Petrolina localiza-se na região nordeste do país, na mesorregião do São Francisco Pernambucano, encontra-se a aproximadamente 700 km de Recife e a 500 km de Salvador. Posição de importância estratégica, por ser equidistante das sedes das regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Teresina e Fortaleza. “Esta localização lhe proporciona uma função articuladora entre estas metrópoles e capitais regionais” (INFRAERO, 2014).

O município limita-se com os municípios Afrânio-PE, Dormentes-PE, Lagoa Grande-PE, Casa Nova-BA e Juazeiro-BA, O clima é semi-árido quente (PETROLINA, 2014). No inverno existe muita mais pluviosidade em Petrolina do que no verão. A temperatura média é 24.8 °C. Pluviosidade média anual de 433 mm. (CLIMATE-DATA, 2014).

O município está inserido na bacia hidrográfica do Rio São Francisco, do Rio Pontal e do grupo de bacias de pequenos rios Interiores. (PETROLINA, 2014) e tem como bioma predominante a caatinga, com ocorrência mineral de calcário e argila, sendo que a maior extensão de sua área possui um solo apropriado para cultivo temporário ou permanente. Administrativamente, o município é composto pela Sede, pelos distritos de Curral Queimado, Rajada e pelos povoados de Cristália, Nova Descoberta, Tapera, Izacolândia, Pedrinhas, Uruás, Lagoa dos Carneiros e Caatinguinha.

Quanto as vias de acesso à cidade, o município é cortado pelas rodovias federais BR-232, BR-110, BR-316, BR-428 e BR-122 e estadual PE-360 (PETROLINA, 2014).Além disso, o município conta com o aeroporto Senador Nilo Coelho que vem apresentando constante aumento no número de pousos e decolagens, em 2010 foram 7.396. O número de passageiros quase dobrou nos últimos anos. Em 2010, foram 254.185 passageiros embarcados e desembarcados que em 2013 aumentou para 473.471. O aeroporto de Petrolina está operando com três empresas aéreas(Avianca, Azul e GOL), seis voos diários com destino a: Campinas (SP), Guarulhos (SP), Recife (PE) e Salvador (BA) e ainda possui frequência semanal (madrugada das quartas-feiras) de um voo cargueiro para a Europa (Luxemburgo). (INFRAERO, 2014).

DADOS DEMOGRÁFICOS

De acordo com os dados do último censo (IBGE, 2010), Petrolina possui uma população de 293.962 habitantes enquanto que a população estimada para 2016 foi estimada em 337.683. A população residente em área rural totaliza 74.747 habitantes (25,42%).

A área dessa unidade territorial é 4.561,872 km2 traduzindo-se numa densidade populacional de 64,44 hab/km2. De acordo com os dados do Censo (2010) Petrolina apresenta densidade demográfica menor que a média de Pernambuco que é 89,62 (hab/km²).

Em relação à distribuição da população por sexo, segundo o IBGE (2010), os homens correspondem a 48,7% e as mulheres 51,2%. Essa prevalência do sexo feminino apresentou-se em todas as faixas etárias a partir dos 14 anos. Na área rural de Petrolina, a população masculina é de 51,51% (IBGE, 2010)

DADOS SOCIAIS

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal da Unidade (IDHM2) de Petrolina em 2010 foi de 0,697 essa medida situa esse município na faixa de IDHM médio (entre 0,6 e 0,699). Dessa forma, em relação a todos os 185 municípios de Pernambuco, Petrolina encontra-se na 6ª posição. Petrolina ocupa a 1995ª posição entre os 5.565 municípios brasileiros segundo o IDHM (PNUD, 2013).

Conforme pode-se observar na Figura 4 Petrolina passou de 0,58, em 2000, para 0,697, em 2010 o que implicou numa taxa de crescimento de 20,17% (PNUD, 2014). Mesmo com taxa de crescimento inferior a de seu estado, o IDHM desse município consegue ser superior. Pernambuco em 1991 passou de 0,440 para 0,673 em 2010 isso implicou numa taxa de crescimento de 23,71%, conforme pode-se observar na Tabela 2. A dimensão que mais contribui para o IDHM de Petrolina foi Longevidade, com índice de 0,799, seguida de Renda, com índice de 0,695, e de Educação, com índice de 0,611 (PNUD, 2013).

ECONOMIA

A produção de vinhos no Vale do São Francisco é um dos pontos que impulsionam o desenvolvimento econômico e turístico da região. O incentivo à produtividade da uva e da fruticultura irrigada fez com que o município virasse o segundo polo vitivinicultor e um dos maiores exportadores de manga do Brasil. São produzidas em Petrolina cerca de 2,5 safras anualmente, fato que vem despertando o interesse de empresários do mundo inteiro. São empregadas técnicas avançadas de agricultura irrigada, utilizando-se as águas do rio São Francisco. Além do vinho, a região contempla atualmente a maior produção de frutas do país, sendo responsável por uma parcela de 30% das exportações brasileiras do setor; as condições de solo, insolação e umidade favorecem a produção de frutos de alta qualidade. A fruticultura irrigada tem proporcionado boas experiências aos agricultores de Petrolina e dos outros municípios que compõem a Região de Desenvolvimento do Sertão do São Francisco. É cada vez mais frequente o número de produtores que abrem mão da agricultura tradicional para investir em fruticultura irrigada na região que tem maior potencial de exportação.

TURISMO

A cidade tem uma orla urbana bem estruturada e uma tradição no artesanato com a fabricação de carrancas. A maior representante desse artesanato é Ana das Carrancas, com um acervo diversificado de peças em barro e madeira. Em 2000, a artesã foi homenageada com o Museu Ana das Carrancas, um dos principais pontos turísticos da cidade. Nele, podem ser encontrados trabalhos da própria artesã, como de suas filhas e de outros artistas da região. No meio do Velho Chico, ilhas enfeitam a paisagem. A Ilha do Rodeadouro,de areias finas e douradas, possui diversas barracas, com som ao vivo nos finais de semana, e o tradicional peixe ribeirinho, o surubim, feito na brasa. O local é o ponto de encontro de petrolinenses e juazeirenses. Uma boa opção para quem quer relaxar desfrutando da beleza natural de Petrolina é o passeio fluvial. São barcas que realizam uma rota turística que vai desde o Cais, na Orla de Petrolina, passando pelas Ilhas do Massangano, Maroto, Pantanal, Rodeadouro, até a Ilha da Amélia. Os passeios que duram cinco horas (ida e volta) proporcionam aos passageiros, música, lindas paisagens e paradas para mergulho. Outro ponto turístico bem movimentado é o Balneário das Pedrinhas, tradicional vila de pescadores da região, com seus restaurantes e o refrescante banho de rio. Em Petrolina, está localizado o maior complexo gastronômico ao ar livre da América Latina quando o assunto é carne de bode. No Bodódromo, como é conhecido o espaço, os turistas podem apreciar o principal prato típico da região: o bode assado.